Sting in the Ear | Daft Punk

E não há nada como escavar linóleo a ouvir Daft Punk.
Depois de passar semanas a ouvir música (chamemos-lhe) gótica, metal, qualquer coisa no meio disso.
Hoje para um boost extra de energia um pouco de Daft Punk para ajudar a escavar.
Para quem não gosta de exercício físico, como eu, é uma excelente maneira de exercitar os braços, trabalhar o linóleo. Estou muito contente com o meu feito!! Desta vez não me cortei!!! Só esfrangalhei uma folha A2 que tinha por baixo das  minhas placas, mas isso são pormenores.


One more time






Around the World





Harder Better Faster Stronger





Technologic





Prime Time of your Life





Veridis Quo


Os Ossos do Arco-Íris

Confesso que quando me aproximei da banca da Saída de Emergência na Feira do Livro, ia à procura ou duma leitura mais cor-de-rosa (numa onda Nora Roberts), ou então de continuar um bom épico (e o mais provável é os "estilos" a que me refiro serem completamente ao lado, mas é a minha maneira de nomear e rotular livros) Das Crónicas de Gelo e Fogo do George R.R. Martin. Cheguei a considerar algo mais na linha dos lobisomens (com a série Mercy Thompson da escritora Patricia Briggs e dos quais AMO as capas com ilustrações do Dan Santos) ou algo na linha da Anne Bishop (eu queria jurar que era high-fantasy, mas palavra de honra, que é daqueles livros que tenho alguma dificuldade em por um rótulo).
Na verdade acabei por não trazer nada do género. Existe um outro género que a editora também edita (perdoem-me a redundância) que está mais virado para o horror (sem ser thriller).
Já ando a namorar à um ano Os Melhores Contos de H. P. Lovecraft, tenho uma curiosidade para lá de mórbida sobre a escrita do Lovecraft, mas também não fui isto que trouxe.
O livro de que falo chamou-me inicialmente à atenção pela capa. Felizmente este livro tinha uma espécie de sinopse na contracapa, porque eu depois de me deixar encantar ou por uma capa ou por um título, viro sempre o livro para ler o que está na contracapa. E irrita-me tanto virar o livro e não estar lá nada! Ou então o que está ser sobre o autor, os prémios e nada sobre a obra em si que tenho nas mãos.
O que li na contracapa deste livro fez-me logo ficar alerta, eh lá, eu acho que vou gostar disto!
"Uma vila assombrada por um misterioso visitante, vestido de negro, que traz consigo matilhas de cães. Uma alma prisioneira num corpo imprevisto que se transforma em algo que não deveria existir. Uma criatura fantástica que descobre a sua identidade com a ajuda de um inabilitado.Associando fantasia, realismo mágico e horror, David Soares convida-nos para uma viagem que não voltaremos a esquecer. "
Na verdade só li o título quando cheguei a casa e olhei novamente para os livros que tinha comprado.O livro chama-se "Os Ossos do Arco-Íris".



É um livro com três histórias/contos independentes, mas cada um com uma carga de realismo misturado com fantasia que é desarmante.
Só no primeiro capítulo do primeiro conto é logo apresentada uma mitologia que vai ditar o resto do conto. Os contos não se repetem nem no género nem na génese.
Foi uma surpresa para lá do agradável!
Cara-em-Obras, Hinos a um ser superior e Os Ossos do Arco-Íris. Não consigo dizer qual delas gostei mais, porque todas tem pormenores que me fizeram vibrar.
A "partida" da Usina dos Limoeiros, uma terra que é apresentada de forma tão verídica no último conto e afinal não existe. Bem caí nessa e ainda fui procurar por essa vila ali no concelho de Loures.
Gostei tanto do livro que já ando a estudar o mercado (mas essencialmente a carteira) para ver se vem morar comigo mais algum livro do David Soares. Estou especialmente de olho na Lisboa Triunfante e num livro que foi lançado hoje, na Feira do Livro, que se chama Compêndio de Segredos Sombrios e Factos Arrepiantes.

Um pequeno aparte acompanhado de links para ler e pensar

As últimas 48horas foram uma pedrada no charco (mental). Uma espécie de beliscão para a realidade. Sim mafalda, estás a meses de acabar o projecto de mestrado, sim é na área que gostas, sim vais conseguir, sofrer, berrar, arrancar cabelos, ganhar uns quantos brancos pelo caminho, mas o fim está próximo e vai acontecer algo de bom. Sim mafalda, estás experimentar técnicas de ilustração que nunca tinhas pensado sequer que alguma vez pudesses experimentar, sim, parece que com trabalho e boa disposição poderás acreditar que sim o consegues fazer e que a tua ilustração tem futuro.

Não liguem muito ao discurso extremamente positivo/afirmativo, é uma espécie de incentivo a continuar.
Ou pode ser do cansaço... muito cansaço mesmo, depois de passar o dia no atelier de gravura a imprimir e escavar linóleo (não necessariamente, mas também nesta ordem). Uns quantos cortes (nas mãos) depois, e umas experiências ainda por fazer fiquei muito satisfeita com o resultado. [podia ter sido menos megalómana e ter só uma placa, em vez de seis, mas acho que não me reconheceria].

Mas isto tudo porque queria partilhar algumas inspirações/reflexões para o fim-de-semana:

Dos limites da privacidade por da Sílvia Silva [raparigas como nós] - Em que ela fala sobre Blog vs Facebook.



Ao qual a Vera João Espinha escreveu uma espécie de resposta às questões que a Sílvia levanta. Partilhar ou não no perdi o fio à meada.


Hoje, a Constança Cabral do Saídos da Concha escreveu um post [Things I'm Not Afraid to Tell You] sobre "honestidade e autenticidade online".


Relacionado com actualidade e com actividade do design(er), dois post do Mário Moura no seu blog The Ressabiator. - O Canário e Design:Identidade e Instituição

Por hoje é tudo. Bom fim de semana e se gostam de calor, aproveitem ;)

Inspiration for the Week [with no End]


Nerd INK | Processo da Novela Gráfica - Get Off That Ship


Para amantes do Titanic ou apenas para quem seja curioso pelos processos criativos de outras pessoas.
Alan Dunne Talks Us Through The Making of His First Graphic Novel, ‘Get Off That Ship’ via from Ape on the Moon: Contemporary Illustration by Philip Dennis 

Get off that Ship - WEBSITE



Random Images



unknow artist | via here

Nerd Ink | Kathryn Macnaughton


Penguin Publishing UK | Lolita by Vladimir Nabokov
Penguin Publishing UK | Of Mice and Men by John Steinbeck
Kathryn Macnaughton é designer, artista e ilustradora que vive em Toronto, Canada.
“Combining drawing with collage in a hue of light pastel shades, softening any ‘filthy rautten’ pornographic material, Macnaughton creates random associations that some of us might think is  fictional mess, but some will see subliminal messages, suggestive imagery of an interpretation of  the real. Asides from the women, shapes are prominent, patterns may be used to fill space, add  game or are intentionally drawing you towards something, an idea or relationship.”-Raji, The Freak Show
Gosto bastante da combinação de materiais que ela faz, especialmente para a capa da Lolita.

Things to read and think about


- 10 Things I Remember...About Procrastinating by artist Gregory Manchess in Muddy Colors
Greg fala de 3 P's - Perfeição, Procrastinação e Paralisia. Revi um bocado o meu processo de trabalho no que ele diz. Normalmente quando começo algum trabalho quero atingir a perfeição, quando a coisa começa a dar para torto passo para a segunda fase dos p's, o que por norma leva à 3ª fase e ao total abandono do trabalho. Mas já tinha chegado à mesma conclusão que ele, que é simplesmente o medo (esse bicho papão)

No final ele dá-nos 7 dicas para acabarmos com a procrastinação, hey, vale a pena dar uma vista de olhos e tê-las nalgum cantinho da memória! Elas são: 1. Force a deadline, 2. Seek stimulation, 3. Make it urgent, 4. Use fear, 5. Fail first, 6. Share the struggle, 7. Just begin.


Random Thoughts | It can be WON


via I'll Define Gravity


Random Images | Catwoman


Catwoman, por Bengal. | via Mundo Fantasma


Um par de horas e 13 livros depois...

Um par de horas [fora viagem], uma volta completa e pequenas reviravoltas, 13 foi o número de livros que vieram comigo para casa da Feira do Livro em Lisboa, bem na verdade foram 14, mas como 14º livro não é para mim não entra na contagem.


A grande perdição este ano foi a bd relativamente antiga que achei nos alfarrabistas. Foi uma autêntica perdição entre as filas de livros de bd encontrar livros e autores que já procurava à algum tempo, mas devo ter andado a procurar nos sítios errados.

Só um dos livros de bd foi comprado na LEYA| ASA. E isto porque já tenho o 2º tomo que tinha trazido numa outra visita à feira do livro, em que existia realmente o 2º tomo, mas nunca tive oportunidade de encontrar o primeiro.
Já andava à procura de livros do François Bourgeon já algum tempo, tenho dois de que gosto muito, não só das histórias, como do próprio traço do autor. Parece que a Asa/Leya está a re-editar alguns livros deste autor. É algo para não perder de vista.
Os que comprei fazem todos parte duma série que se chama Os Passageiros do Vento.

O próximo para mim é totalmente desconhecido, e foi essencialmente a capa que me chamou atenção. Chama-se A Grande Passagem e é de Jeronaton. À primeira vista parece-me estar relacionado com os mitos incas. Tenho a sensação que acertei mesmo ao escolhe-lo.

 Há uns anos, um amigo, que sabia a minha perdição por banda desenhada, ofereceu-me dois volumes d' O Mercenário. Que adorei! Completamente. O ambiente, os desenhos, a história.
Fiquei super entusiasmada quando achei mais 3 volumes, mais contente ainda fiquei ao chegar a casa e ver que nenhum era repetido. Até o senhor da banca ficou surpreendido disse-me que tinha tido muita sorte em achar tantos.

 Um dos principais motivos que me levavam à feira era ir à procura deste livro da Imprensa Nacional - Casa da Moeda, sobre o artista Jorge Barradas.
Na banca da INCM havia uma série de livros que estavam literalmente a chamar por mim, era uns sobre o design de comunicação português, era o dos ilustradores portugueses que estiveram este ano na feira do livro infantil em Bolonha...

António Rodrigues, Jorge Barradas, INCM
Já há um par de anos que tenho dificuldade em resistir aos livros da editora Saída de Emergência. Cobrem a maioria dos estilos que aprecio, no que diz respeito a romance e high fantasy.
Ainda fiquei dividida entre outro George R.R. Martin, ou talvez Anne Bishop (o último duma triologia que já comecei), ou então talvez acrescentar outro livro da Norah Roberts à minha vasta colecção, ou então trazer mais uma Patricia Brigss.
Acabou por ser nada disso. Não tinham os contos H.P Lovecraft que já namorei tantas vezes no site deles, mas na secção dos livros que foram descontinuados do catálogo ou que já foram demasiado manuseados, encontrei dois do género. Foi deveras interessante ver a senhora que estava nessa zona a vender os livros ficar um tanto surpreendida ao ver-me pegar em tais livros. Ei, mas foi muito simpática em mostrar-me mais um do mesmo género.

David Soares, Os Ossos do Arco-Íris, Saída de Emergência


Arthur Machen, O Terror, Saída de Emergência | Adoro esta capa




E por último, também num dos alfarrabistas, comprei um livro do Stephen King que queria já algum tempo. Não era o que ia à procura, mas o preço fez-me decidir trazê-lo.



Stephen King, Cell - Chamada para a Morte, 11x17, Bertrand

E foi assim a minha ida a esta Feira do Livro.

*[as imagens são fotografias das capas dos livros referidos]

Bites and Bits | 27/01


Ultimamente ando com uma tara por arrumações. Volta e meia dou por mim a mudar isto ou aquilo de sítio. A organizar e a re-organizar tudo e mais alguma coisa. Pode ser só uma gaveta, como a secretária toda.
Algo que estou sempre, sempre a mudar de organização é o meu espaço de trabalho. Seja o conteúdo dos quadros de cortiça ou limpar o que tenho em cima do tampo.

Na sexta-feira passada partilhei esse espaço no meu outro blog neste artigo Updates & Workspace'12
O tempo no sábado esteve a brincar comigo! Passo a explicar até esteve sol, e estava bom, mas quando finalmente sai de casa para tirar umas fotografias começou a ficar tudo escuro e com umas cores difíceis de fotografar.
Resultado... podia ter sido pior. Podia não ter tirado fotografia nenhuma.



No Domingo o tempo foi passado a editar alguns desenhos que já tinha fotografado à algum tempo. Espero ir actualizando o Scribbling Drafts com alguns deles nos próximos dias.
Segunda-feira foi um dia de pôr a cabeça em ordem. Parar para pensar e trabalhar a sério no que tem de ser feito.

O trabalho andou todo de volta de Contos da Tradição Portuguesa. E os livros acima tem sido uma grande ajuda e inspiração.
Ainda houve tempo para me pôr a par e passo com alguns blogs que sigo e ainda dar um jeitinho ao dedo e desenhar um pouco.




Hoje consegui tirar algumas fotografias, no entanto não gosto de quase nenhuma. Tirando a primeira e última deste post.
Amanhã é outro dia... e no qual espero ir à Feira do Livro de Lisboa.
Boa quarta e até breve.